Serviços e Criações

sábado, 8 de fevereiro de 2014

Carolina de Chico Buarque...Tão Melancólica...Tão Polêmica...Tão Odiada... - Afinal como "nasceu" Carolina?

photo: Francesca Woodman
      Sabe, esta semana, de repente, uma música de Chico Buarque me veio à mente: Carolina.
       Pobre Carolina... "O tempo passou na janela e só Carolina não viu".
      Carolina me parece uma figura infeliz, melancólica, introspectiva, depressiva...
      Quem nunca teve suas crises "carolinescas"? Aquela sensação que nada está bom, uma tristeza no olhar, por mais que te mostrem tudo, tentem te animar, nada adianta pois estando imersos na "carolinice", nada é possível ser contemplado.
      Acho que Carolina olhava pra dentro de si, pra sua dor: "a dor de todo este mundo", para todo o amor represado dentro de si mesma "guarda tanto amor, amor que já não existe" por isso, não via nem estrela cair, nem rosa nascer, morrer... Nada.
      Quantas vezes conversei com minha grande amiga Li Melo - que aliás, dedico este post a ela! - sobre Carolina. A "nossa Carolina" (ou nosso receio) é do tempo passar na janela (inclusive a banda!!) e nós não sairmos do lugar, atingirmos nossos objetivos. Na verdade, não queremos ficar na janela vendo as coisas passarem, queremos estar lá fora e participar!!!
   Também tem um outro lado "carolinesco": se não é possível por 'N' razões, estar lá fora, melhor nem ver nada.
      Enfim, Carolina pode representar muitas coisas para muitas pessoas.
      Entretanto, não foi para ficar discursando sobre minhas idéias e receios "carolinescos" (meus e da Li!) que serve este post e sim, para contar como surgiu a música Carolina, análise da letra e toda sua polêmica repercussão!
      Uso neste post as fotografias lindíssimas de Francesca Woodman (não sei, mas sinto uma "coisa Carolina" nela...).


CAROLINA: COMPOSIÇÃO

Trecho retirado do livro Chico Buarque, que inaugura a série História das Canções, escrito por Wagner Homem, 2009 - Livro este que ganhei desta minha amigona do peito!!

     "Chico estava na casa de um amigo em Salvador quando soube pelo rádio , que a música interpretada pela dupla Cynara e Cybele, ficará e  3° lugar no ll Festival Internacional da Canção Popular (outubro de 1967) (...) Ele tinha motivos para não gostar da canção , e com os anos, surgiriam outros. O jornalista Humberto Werneck conta, em Chico Buarque letra e música, que, por orientação de Hugo Carvana, ele aceitaria um convite para apresentar um programa Shell em Show Maior na jovem TV Globo. Gravou o primeiro e simplesmente não apareceu para gravar o segundo show, de tão envergonhado que ficou. E como televisão, além de show, é sobretudo business, a Globo decidiu cobrar judicialmente a multa contratual. O superintendente da emissora, Walter Clark, fez chegar a Chico a proposta conciliatória: bastava uma música inscrita no festival e o processo terminaria. Ele aceitou, e assim nasceu 'Carolina', cuja letra foi feita num avião, 'nasceu nas coxas mesmo'. 
        Esse porém, não seria o único dos motivos. Em 1968 a música aparecia como uma das preferidas do marechal Costa e Silva, na voz de Agnaldo Rayol. Mas não para por aí. A gravação de Caetano Veloso no seu LP de 1969 seria um dos arranhões a abalar a sólida amizade dos dois compositores.


     Em entrevista ao tablóide Opinião, Caetano negou que houvesse deboche na gravação:

'É uma das poucas e boas gravações que eu já fiz (só gosto dela, de "Coração Vagabundo" e de mais um ou duas). Uma "Carolina" bem emocional. Também foi a época que eu fiquei confinado na Bahia e via sempre na televisão a música em todos os programas de calouros. Ela virou uma espécie se subtexto lírico nacional, e eu sei que o Chico nem ligava muito pra ela. Cantando daquela maneira, eu senti que estava modificando isso, descarregando um pouco da minha irritação.'

      Mais tarde Caetano retorna no assunto em seu livro Verdade Tropical:

'Claro que havia uma agressividade necessária contra o culto unânime a Chico em nossas atitudes. Quando gravei, em 69, a "Carolina" num tom estranhável, eu claramente queria, entre outras coisas, relatividade a obra de Chico (embora não fosse essa, ali, a principal motivação. (...) É indiscutível que a glória indiscutível de Chico nos anos 60 era  um empecilho à afirmação de nosso projeto.'

      Em que pesem as desavenças - todas mais que superadas - é, de Caetano uma das melhores definições do papel que Chico  representou naquele momento da música popular brasileira: 'Chico Buarque anda pra frente arrastando a tradição'.

      O tempo e uma boa causa proporcionaram a reaproximação  entre i criador e a criatura tão problemática. Em 1987 o Banco do Brasil produziu o disco Há Sempre um Nome de Mulher para a campanha pelo aleitamento materno, e Chico não titubeou em gravar "Carolina" após vinte anos.

photo: Francesca Woodman

Notas sobre Carolina

(Análise literária)

Por Adélia Bezerra de Meneses





Finalmente, em Carolina, o poeta tenta retirar a amada do estado de tristeza e dor, sacudindo-a da melancolia através de um convite para dançar, mas seus esforços são vãos:

Carolina
Nos seus olhos fundos
Guarda tanta dor
A dor de todo esse mundo
Eu há lhe expliquei que não vai dar
Seu pranto não vai nada mudar
Eu já convidei para dançar

O convite se tornará mais insistente, utilizando o apelo erótico contido nas metáforas da rosa e da estrela:

É hora, já sei, de aproveitar
Lá fora, amor
Uma rosa nasceu
Todo mundo sambou
Uma estrela caiu
Eu bem que mostrei sorrindo
Pela janela, ói que lindo
Mas Carolina não viu


       "Rosa" e "estrela", nesse contexto, parecem ecoar (provavelmente de maneira inconsciente) na temática amorosa de Chico Buarque dois símbolos quase que obsessivos em Manuel Bandeira, levantados por Gilda e Antonio Candido de Mello e Souza, no prefácio de a Estrela da vida inteira. Pois em Bandeira, dizem os dois autores, a rosa, herança provável do Romantismo, é ora o corpo da mulher amada, ora a virgindade, ora o próprio sexo, representando o "aspecto mais accessível do amor"; por outro lado, a estrela representa algo fora do alcance da mão.


     Na canção de Chico Buarque, também a rosa poderia simbolizar o amor vivido na sua expressão corporal, enquanto que a estrela, nas alturas, simbolizaria o amor espiritualizado. Aqui a rosa nasceu, todo mundo sambou e a estrela caiu: o amor carnal figurado pela rosa provocaria a queda da estrela. Mas Carolina se deixa ficar na janela e, no seu imobilismo, o tempo passa e nada acontece.      O poeta mostra rosa e estrela à amada, num urgente "carpe diem" ("É hora, já sei, de aproveitar") provocado pela sensação da passagem inexorável do tempo, mas Carolina nada vê, e o tempo fará o amor acabar:

Carolina
Nos seus olhos tristes
Guarda tanto amor
O amor que já não existe
Eu bem que avisei: vai acabar
De tudo lhe dei para aceitar
Mil versos cantei pra lhe agradar
Agora não sei como explicar

Há no poema dois blocos de versos, que se contrapõem num paralelismo cerrado: os versos 9 a 12 (já citados) e 24 a 27:

Lá fora, amor,
Uma rosa morreu
Uma festa acabou
Nosso barco partiu

Esses versos são a negação explícita e imediata dos anteriores:

uma rosa nasceu / uma rosa morreu
todo mundo sambou / uma festa acabou
uma estrela caiu / nosso barco partiu

Morreu, acabou, partiu: metáforas da finitude. E os versos finais do poema revelam o agente desse desfazimento todo: a passagem do tempo:

Eu bem que mostrei a ela
O tempo passou na janela
Só Carolina não viu

Passagem do tempo versus imobilismo das personagens é um topos constante da poética de Chico Buarque (como apontou Leila Perrone Moisés em artigo já citado) e que aqui encontra um espaço privilegiado de desenvolvimento.

A passagem do tempo, aliás, acabará por se cristalizar numa metáfora definitiva - a Roda-viva:

........

      Mas voltemos a Carolina, que enquanto o tempo passava, tinha ficado à janela. Carolina se transformou quase que num emblema da canção nostálgica por excelência. Melancólica, nostálgica, reacionária, passadista: o fato é que Carolina se transformou na pedra de toque da implicância dos tropicalistas com Chico Buarque. (E não apenas dos tropicalistas.) Essa importância quase emblemática que Carolina vem a assumir, por sinal, é provada pelas "retomadas" sucessivas que se fizeram desse texto. Inicialmente, pelos tropicalistas. Gilberto Gil e Torquato Neto a citam, parodicamente, em Geléia geral:

E outra moça também Carolina
Da janela examina a folia
(salve lindo pendão dos seus olhos
e a saúde que o olhar irradia)



        Numa evidente leitura irônica, que "corrige" a melancolia do olhar da moça da janela, contrapondo o vigoroso deboche tropicalista à dor guardada nos olhos fundos.
      Caetano também a retoma, numa polêmica interpretação, de 1968, que, malgrado os desmentidos do intérprete, foi largamente utilizada para provar o dissídio entre os dois compositores. Trata-se de uma estilização que tem, evidentemente, um lado crítico, mas que recupera uma dimensão inequívoca de lirismo.
         Essa mesma canção é retomada, criticamente, dessa vez pelo próprio autor, em Essa moça tá diferente (do seu quarto disco, o disco da crise), uma canção que manifesta o desencontro que o poeta começara a sentir entre a sua poética e o gosto do público (a moça que "fica diferente"):


Essa moça é a tal da janela
Que eu me cansei de cantar
E agora está só na dela
Botando só pra quebrar

         Mas não param aí as repercussões de Carolina no meio intelectual e artístico brasileiro. O poema No Festival, de Drummond, em meio a várias referências a canções da Música Popular Brasileira da época dos Festivais, privilegia Carolina, que, aliás, abre e fecha o longo poema, do qual cito só os versos que nos interessam:


Na janela Carolina
não viu o tempo passar.
Eu bem que mostrei a ela: 
São os do Norte que vêm
que vêm para dar exemplo
Com Suassuna e Capiba.
...
Eu troco o não pelo sim,
não tranco o meu coração.
E quem será que inventou
não só o tempo do amor,
mas esse instante de luz
que é esperança de aurora
sob os líricos auspícios
de nosso caro Vinícius?
Eu bem que mostrei sorrindo,
ó meu amor infinito
(infinito enquanto dura)
todas as noites do mundo
se queres, te quero dar.

Por que a lágrima vã
que turvou o teu olhar
em canto não se converte
noutra estrela da manhã?
Bem faz o Chico: se a estrela
caiu e murchou a rosa,
ei-lo que mostra à janela
- Oh que lindo... Carolina
meu doce, minha menina,
não deixa o barco partir,
não deixa a banda passar!



      A convocação de Gil/Torquato, Caetano Veloso, Drummond - uma pletora de repercussões a Carolina - não é gratuita: consiste no levantamento de dados que vão construindo a "fortuna crítica" dessa canção e lhe emprestam lastro histórico. É já um aforismo comum da "Estética da Recepção" incorporar a reação crítica que uma determinada obra suscita à atmosfera em que respira e se movimenta essa mesma obra. A reação dos contemporâneos começa a amalgamar-se, num certo sentido, à obra, passa quase a fazer parte da sua existência. E importa assinalar que essas repercussões aqui levantadas, foram, todas, não a nível da crítica (musical ou literária), mas a nível da criação: um diálogo entabulado por outros compositores, por outro intérprete, por outro poeta.


         É o caso de nos perguntarmos também por que Carolina revelou-se tão instigante. Na verdade, é uma canção extremamente significativa de um determinado momento histórico: aquele em que uma parcela da intelectualidade brasileira, alijada da práxis política, tende a se refugiar em situações de melancolia e inação: da janela, vê (ou não vê) o tempo passar.

        Falei mais acima que Carolina se transformou quase que num emblema da canção nostálgica por excelência. Mas nostálgica é quase que a totalidade da produção de Chico Buarque até 1968, abrangendo as canções dos seus três primeiros discos. E creio que devo cavar mais fundo o significado dessa nostalgia. Nostalgia, bem entendido, no seu sentido etimológico, de ânsia dolorida por um retorno. A maioria das canções da época são a proposta de uma situação - um outro tempo ou um outro espaço - onde não haja sofrimento, e em que as barreiras do individualismo ruem. Esse esconjurar da tristeza é propiciado, como vimos, ora pela dança e pelo canto, em Carolina e n'A banda; ora pela música, em O realejo; ora pelo samba em Tem mais samba e em Olê, olá; ora pelo Carnaval em Noite dos mascaradosSonho de um carnavalAmanhã ninguém sabe e Ela desatinou. Em todos os casos, uma constante: a tentativa de superar o curso normal da vida, através da criação de um tempo mítico (convocado sempre, como vimos, por meio de um elemento dionisíaco). Isso significa uma tentativa quase que desesperada de se estancar a passagem do tempo, através do retorno a uma tal situação que provoca provisoriamente a reintegração do indivíduo numa determinada experiência, em que a dor humana é vencida.
       No entanto, no quarto disco - aquele em que faz uma revisão da própria poética - Chico Buarque empreende uma crítica à crença no poder de transformação social - provisório que seja - da canção. 


Fonte: Desenho mágico, Adélia Bezerra de Meneses, Editora Hucitec, 1982
Parte I - Lirismo Nostágico, página 55




















 
Pin It button on image hover